A culpa nos faz atacar, e a condenação é a raiz do ataque. Uma mente julgando a outra, como indigna de amor e merecedora de punição. Nisso está a divisão, a dualidade que impera no mundo que vemos com os olhos do corpo. ‘Uma mente que julga se percebe separada da mente que está sendo